[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr



Dom Rossé Cavaca

Menu do Autor:

 

Último texto

O pensamento invencível de
Dom Rossé Cavaca


Tenho em mãos uma verdadeira jóia. Uma coleção dos primeiros números do "O Pasquim", lançado aqui no Rio em 26 de junho de 1969, com preço de capa de NCr$ 0,50. Para quem não sabe, isso queria dizer "cruzeiros novos". Passo horas me deliciando com os textos, charges, anúncios - que eram feitos pelos seus proprietários e jornalistas, dentre eles Tarso de Castro, Sérgio Jaguaribe (Jaguar), Sérgio Cabral, Carlos Prósperi, Cláudio Ceccon (Claudius) e tantos outros. O que quero mostrar para vocês é a releitura de alguns pensamentos de Dom Rossé Cavaca. Excelente jornalista, ator genial, produtor e ator de TV, inventor e construtor de coisas (consta que construiu um automóvel no quintal de sua casa, a alavanca de marchas era uma maçaneta de porta), humorista, poeta, boêmio. Enfim, um cara formidável. Em 1961 reuniu alguns trabalhos num livro de alto nível, Um riso em decúbito, (editado e distribuído pelo autor, nem Deus sabe como, segundo ele). Morreu pouco depois, quando voltava da redação da Tribuna da Imprensa, jornal carioca, num estúpido desastre de lambreta. Os textos abaixo constam do citado livro e foram publicados pelo "O Pasquim" número 4, de julho - 1969.

Meus mais sinceros agradecimentos aos amigos Regina Werneck e Luiz Jorge, que cederam o material para pesquisa.


oooOooo


Na promiscuidade dos bairros que crescem em sentido vertical, há binóculos de comprovada experiência sexual.

A Bíblia conta à sua maneira que Adão também comia maçãs em outra macieira.

O solteirão sem atrativos segue o destino: Cibalena à noite para dormir com algo feminino.

Na reunião de cúpula do Centro de Pesquisas, a ciência revelou aspectos surpreendentes: descobriram doze moléstias até então inexistentes.

Morreu de enfarte o João. Comentário geral: um ótimo coração.

Chinelo em baixo da cama conforto é. Mas cadê o outro pé?

Graças à liberdade de ir e vir, assegurada pela Constituição, o nordestino tem oito milhões, quinhentos e vinte e cinco mil quilômetros quadrados para morrer de inanição.

Vendo para Seleções um conto neo-realista bem do tipo Seleções. Tanto que narra a história de um soldado destemido que perdeu pernas e braços, ficou cego, surdo e mudo. Azar inqualificável: até neurose incurável. Voltou da guerra e internou-se no Centro de Readaptação de Ex-Combatentes. Lá se casou por amor com a filha do diretor, que lhe tirou da cabeça todas as coisas complexas. Hoje ele é UM FELIZ FAZENDEIRO NO TEXAS.

Na situação em que me encontro, se puserem um revólver na minha frente eu o vendo imediatamente.

É tanta polícia que a gente fica sem a mínima garantia.

A sífilis e as capitanias eram hereditárias.

Bons tempos aqueles! Como se ganhava pouco!

Não é para te elogiar não, mas o enterro do teu pai estava um show.

Humoristas lutam agora por um mundo menos engraçado.

É a quinta massa fria vinda do Sul que o Rio desmoraliza.

Agora gostaria que as senhoras fizessem silêncio, mas todas ao mesmo tempo.

Os dois são Deuses, mas o da direita tem mais experiência.

Letra V da cartilha contemporânea? Vina viu vovô se virando.

Alguns átomos também se consideravam íntegros.

Depressa, Pedro! Grite logo, que estamos às margens do Ipiranga e a letra do hino já está pronta.

Há milhares de notas falsas em circulação, mas tão prestativas que conquistaram a confiança de todos.

Que corrupção é esta que a gente morre sem conseguir atingi-la?

Flagrei minha mulher me pegando em flagrante.

Um destes viveiros que matam de inveja os passarinhos livres.

Acredito na sua honestidade mas a quadrilha já está formada.

Tem cura, doutor? Se tem, vamos desenterrá-lo.

Bebeu veneno e o legista descobriu que era uma solução.

Só sabe contar pré-histórias.

Que foi que você sentiu quando soube que havia nascido no Brasil?

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo