a

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr


Maria Célia Ferrarez (1963), reside em Belo Horizonte, onde trabalha em uma empresa de saúde. Tem colaborado, quinzenalmente, com o "Jornal Hoje em Dia" daquela cidade. Não tem livros publicados.


De louca, Maria-Pé-de-boi não tinha nada

Maria Célia  Ferrarez


Maricota perambulava pelas ruas da cidade, seguida de um séqüito de meninos e moscas atraídas pelo cheiro de sua urina. "Oi aproveita o rela-buxo, Maricota, venha cá...". Ela metia as unhas na cabeça, como se arrancar o couro cabeludo lhe trouxesse o entendimento. E, ao coçar as sua nádegas, o mistério se desfazia com o levantar da ponta de seu vestido. Quanto mais carne surgia, o coro entoava "Oi aproveita o rela-buxo, Maricota venha cá...".

Os homens, que ignoravam a existência da alma em constante agonia, enxertavam Maricota como se enxerta um bicho, no matagal entre o campo de futebol e a delegacia. Esses homens estavam próximos, mas não podiam ser identificados, protegidos pela crueldade de seus atos. Quando seus filhos nasciam, desapareciam ainda cobertos pela placenta. Pelos bicos de seus seios, Maricota expurgava a sua dor.

Maria Marrada era a guardiã da ponte. Com sua boca sem dentes, ela ruminava pedaços das tiras de pano amarradas em seus pulsos. Seu corpo pelado nas noites de lua cheia, ou vestido por trapos coloridos que a luz do sol tornava visível ao longe, obrigava-nos a descobrir um atalho para cortar caminho. O pai dizia "fora daqui menino! Maria Marrada adora pedaço de gente que mete o nariz onde não é chamado... Para jogá-lo ponte abaixo!”

De louca, Maria Pé-de-boi não tinha nada. Amortecia a sua dura vida com garrafas de cachaça. "Ô Maria Pé-de-boi, vem me pegar!" Maria Pé-de-boi bem que gostaria de correr atrás dos meninos, mas se arrastava pelo peso insuportável. Sua sina era ter o pé semelhante à pata de um elefante. Bode Cheiroso era louco e lúcido. Dava conta de tudo o que acontecia na cidade, desde o tempo em que o trem de ferro ia e vinha pelos trilhos da Bahia - Minas. Com o seu cérebro em ebulição sobre o corpo de dois metros de altura, extravasava seus ímpetos piromaníacos, queimando o lixo da mediocridade humana em fogueiras múltiplas. Onde havia fumaça, havia Bode Cheiroso. Um doido de arremessar as pedras que arrancava do chão com a sua força de esmagar o que encontrava pela frente. Fazia estripulias como um menino "malino" e, como castigo, surgia humildemente "depois" com o seu couro rachado, que deixava sua carne num vermelho vivo, onde o negro adornava. Como um animal ferido, permitia a intimidade de cuidarmos de suas mazelas. Uma vez curado, passava por nós de nariz empinado, fingindo que não nos conhecia. Voltava a ser o orgulhoso cidadão que zombava do tamanho de nossa mínima compreensão.

Se Gustave Doré, como andarilho, tivesse vagado pela região onde finda Minas, certamente marcharia ao lado de Lampião, inspirado em ilustrar as aventuras do Triste Figura, já que a esquizofrenia unia esses dois personagens. O cangaceiro esticava o seu braço como se fosse uma bússola norteando vidas sem rumo. Andava em círculos dentro de seu mundo de incógnitas, trazendo ao ombro um saco recheado de pele de porco frita, para quem tinha coragem de comprar. Os meninos gritavam "Lampião! Cadê Maria Bonita, Lampião?”

Maricota desapareceu, só Deus sabe como, tragada, tal qual seus filhos, por um abrigo que protege o seu útero.

Maria Marrada não sabia o que era um menino e, por curiosidade ou por não ter o que arremessar, lançou seu corpo nu sobre a proteção das grades da ponte para dissolver sua alma nas tormentas das correntezas do rio.

A idade para Maria Pé-de-boi tornou-se graça, trazendo-lhe a cura. Dizem que quando adormecida sobre a cama de um asilo, os que zelam por ela, sussurram em seus ouvidos "Durma com Deus, Maria Pé-de-gente".

Bode Cheiroso levou um tiro quando tentava saltar um muro para apanhar uma jaca. Foi abatido pela intolerância como um troféu, e sua carne desprezada em uma vala sem nome, cruz, flores e velas.

Lampião depôs as armas com a vitória da morte, finalizando parte de uma história que segue ao longo de um caminho, onde as incertezas contidas em nossos dias contados se perpetuam sob ameaças da soberania de novos loucos que se revelam.


E-Mail: celiaferrarez@bol.com.br

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo

a